Habitação

Preço médio das habitações cresce 17,2% no primeiro trimestre

Felipe Ribeiro |
Preço médio das habitações cresce 17,2% no primeiro trimestre

Nos primeiros três meses do ano, o preço médio de venda de alojamentos familiares em Portugal teve um acréscimo de 17,2%, o equivalente a um preço mediano de 1454 euros/metros quadrados. No trimestre passado, o preço médio de venda de alojamentos familiares em Portugal havia subido 14,1%, ou seja, os números assinalados no primeiro trimestre deste ano representam uma aceleração.

O INE indica, ao analisar a variação ocorrida nos preços da Habitação ao nível local, que o Algarve (2 237 €/m2) e a Área Metropolitana de Lisboa (1 986 €/m2), foram as duas sub-regiões com preços medianos da habitação mais elevados. Segue-se a Região Autónoma da Madeira (1.586 euros/m2) e a Área Metropolitana do Porto (1.555 euros/m2).

Todas estas regiões citadas acima registaram valores acima da média nacional, no entanto Lisboa e Madeira, com aumentos de 16,4% e de 14,2%, respetivamente, tiveram crescimentos homólogos inferiores à referência nacional. De destacar o Alto Alentejo como a região que registou o preço médio de venda de casas mais baixo do país, 500 euros por metro quadrado.

No período em análise, o valor mediano de alojamentos familiares transacionados envolvendo compradores com domicílio fiscal no estrangeiro foi de 2.209 euros por metros quadrado, um valor que é 4% inferior ao verificado no trimestre passado, de 2.302 euros por metros quadrado. Nas transações por compradores com domicílio fiscal em território português, o preço médio foi de 1.428 euros por metros quadrados, 8,3% acima do valor registado no último trimestre de 2021.

Em termos de municípios, todos os municípios com mais de 100 mil habitantes das áreas metropolitanas de Lisboa e Porto, com exceção de Gondomar e Santa Maria da Feira, registaram preços medianos de habitação superiores ao valor nacional (1.454 euros por metros quadrados). Deste conjunto de 17 municípios das áreas metropolitanas com mais de 100 mil habitantes, Vila Nova de Gaia (+20,0%), Gondomar (+19,8%), Setúbal (+19,4%) e Sintra (+18,5%) verificaram taxas de variação homólogas superiores à nacional (+17,2%).

Por outro lado, Cascais (+16,2%), Lisboa (+13,7%), Oeiras (+13,3%) e Porto (+9,3%) registaram taxas de variação homóloga inferiores à nacional. De

De destacar ainda que, entre os municípios com mais de 100 mil habitantes fora das áreas metropolitanas, somente Coimbra apresentou um preço mediano (1 583€ por metros quadrados) e também crescimento homólogo (+17,3%) superiores ao nacional. Já o município do Funchal (1 971€ por metros quadrados) registou um preço superior ao do país.