Mercado de investimento movimenta mais de 200 milhões até março

Susana Correia |
Mercado de investimento movimenta mais de 200 milhões até março

Somando mais de 200 milhões de euros, as operações de venda do edifício Entreposto e do Portfólio Tranquilidade vêm também atestar a continuação da aposta dos investidores no segmento de escritórios em 2017, que promete ser uma das classes de ativos mais atrativa para o capital estrangeiro nos próximos meses.

Um dos maiores edifícios terciários de Lisboa, com cerca de 48.000 m², o edifício Entreposto foi vendido por 65,5 milhões de euros à Signal Capital, um investidor internacional cujo parceiro operacional local é a sociedade gestora portuguesa Square Asset Management. O negócio foi assessorado pela Cushman & Wakefield, que atuou em representação da Entreposto Gestão Imobiliária SA (que se mantém como inquilina), e pela JLL, que representou a entidade vendedora.

Entretanto foi também anunciada a conclusão da venda de um dos grandes portfólios que estavam no mercado, uma das operações cujo fecho transitou de 2016 para 2017. Falamos, pois, do Portfólio Tranquilidade constituído por mais 86 imóveis, incluindo a emblemática sede da seguradora na Avenida da Liberdade, e que foi comprado pelo consórcio luso-americano Anchorage Capital Group e Norfin por um valor na ordem dos 140 milhões de euros. De acordo com a informação avançada pelo Jornal de Negócios, esta foi apenas a primeira parte de uma operação de maior escalada, através da qual a Tranquilidade espera encaixar um total de 200 milhões de euros através de venda de ativos imobiliários. A CBRE atuou neste negócio em representação da entidade vendedora, que se manterá como inquilina na atual sede em Lisboa.

Recorde-se que no início do ano, a consultora CBRE dava conta da existência de um conjunto de processos em fase avançada de negociação a concluir neste trimestre, num valor global de 450 milhões de euros.

Além das duas operações anunciadas esta semana, no início do mês foi também divulgada a conclusão de duas outras operações de grande dimensão, mas na área do retalho: a compra, pelo fundo Iberia Coop (parceria estratégica criada pela CBRE Global Investors e a Sonae Sierra), do Albufeira Retail Park e das instalações do Hipermercado Continente. Os vendedores foram, respetivamente, um fundo de investimento imobiliário cotado (REIT) e a Sonae RP. O Iberia Coop foi assessorado nestas operações pela Retail Partners Europe e, de acordo com várias fontes de mercado, terá desembolsado um valor que poderá ascender aos 100 milhões de euros para se tornar dona destes ativos.