Escritórios

Lisboa: mercado de escritórios regista o melhor ano de sempre

Felipe Ribeiro |
Lisboa: mercado de escritórios regista o melhor ano de sempre

No final do mês de setembro, o mercado de escritórios somava uma ocupação acumulada de 248.000 m², superando assim a marca de 230.000 m² registada em 2008. Posto isto, apenas a um trimestre do seu fecho, o ano de 2022 já é sinónimo de melhor ano de sempre no mercado de escritórios de Lisboa, frisa o Office Flashpoint da JLL. Para além de triplicar o nível de atividade do período homólogo, neste ano excedeu-se também o volume de ocupação registado na totalidade do ano de 2021, respetivamente, em 53%.

O relatório destaca também o número de operações concretizadas, onde se registou um crescimento expressivo (+76%): 162, das quais 47 envolvendo a tomada de espaços superiores a 1.000 m², contribuindo para o apuramento de uma área média por operação de 1.530 m². A procura foi liderada pelas empresas de “Serviços Financeiros” (36% do take-up) e mostrou-se mais dinâmica no Parque das Nações (28% da ocupação), no agregado deste ano. Setembro foi o segundo melhor mês do ano, logo atrás de abril, com 21 operações concluídas que somaram 40.600 m², duplicando o nível de atividade face a agosto.

A zona Histórica e Ribeirinha foi a mais ativa no mês, sendo a morada de 45% da área ocupada. O setor “Outros Serviços” foi o mais dinâmico do lado da procura, sendo responsável por 50% da ocupação registada. Num mês em que a área média por operação se fixou em 1.934 m², foram concretizados oito negócios com áreas superiores a 1.000 m²: o relatório destaca a colocação de 17.750 m² na zona 4, a maior operação do mês e uma das maiores de 2022.

Para Sofia Tavares, Head of Office Leasing da JLL, «setembro acabou por ser um mês ainda mais dinâmico do que o antecipado, fazendo com que a três meses do final do ano já tenham sido ultrapassadas as projeções com que tínhamos iniciado 2022. Este já é o melhor ano de sempre no mercado de escritórios lisboeta e, tendo em conta que ainda temos um trimestre pela frente, a manter-se o ritmo que temos observado até aqui, podemos vir a aproximar-nos dos 300.000 m² este ano, o que seria um feito inédito».

Porto

Embora menos acentuado, o 3º trimestre foi também sinónimo de crescimento no mercado de escritórios na Invicta, refere a JLL. A absorção anual acumulada foi de 45.500 m², mais 34% que a atividade registada nos nove primeiros meses de 2021. Neste período concretizaram-se 51 operações, 14 das quais correspondem a áreas iguais ou superiores a 1.000 m². Até setembro, a área média por operação foi de apenas 887 m². Neste período, o CBD-Baixa domina a procura (37% do take-up), sendo as empresas de “TMT’s & Utilities” as mais dinâmicas na tomada de espaço (50% do take-up).

O mês de setembro estabeleceu-se como o melhor mês do ano no mercado do Porto, com cerca de 12.000 m² transacionados, um crescimento exponencial face a agosto e de 47% face ao mês homólogo de 2021. Foram concluídas nove operações neste período, cinco das quais compreendendo áreas acima de 1.000 m², com destaque para a instalação da Kantar no edifício Revor (4.060 m²), da Natixis no Porto Business Plaza (3.200 m²) e da Hitachi na Metropolis (1.430 m²).