Mais investidores interessam-se pelo mercado industrial português

Ana Tavares |
Mais investidores interessam-se pelo mercado industrial português

 

É o que destaca uma análise do ano de 2017 feita pela Worx, que revela que estes fatores tiveram um impacto positivo na atividade dos operadores logísticos. Registou-se, no ano passado, uma crescente procura por ativos no centro de Lisboa e Porto, e o interesse por parte de inquilinos e investidores internacionais foi maior do que nos anos anteriores.

Mais de 250.000 m² de plataformas e armazéns logísticos foram ocupados, «fruto da necessidade de otimização de eficiência operacional e reavaliação das estratégias de localização dos operadores face aos seus principais mercados e clientes», explica a consultora. Por exemplo, a Jerónimo Martins ocupou 70.000 m² na aquisição e ocupação de uma plataforma logística, e a Luso Alimentos comprou um armazém em Palmela com 19.000 m². A Sonae ocupou mais 14.000 m², e a Luís Simões realizou outras várias ocupações no país.

A Worx prevê que, nos próximos anos, os grandes centros urbanos continuem a ser alvo de muita procura por parte dos operadores logísticos, que procuram maior proximidade ao cliente.

Por outro lado, «a confirmar-se a entrada da Amazon no mercado português em 2018 através de um investimento numa plataforma logística de dimensão considerável, podemos antever o interesse de outros operadores internacionais no nosso mercado».  

Além disso, destaca a consultora, «Portugal apresenta uma margem significativa de crescimento no e-commerce, estando ainda muito aquém de números alcançados por outros países europeus. A tendência será de aumento com repercussões diretas na entrada de novos players no mercado, nacionais e internacionais».